Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Home / POLÍTICA / TSE recebe pedido para rever regra que impede candidatura sem contas aprovadas

TSE recebe pedido para rever regra que impede candidatura sem contas aprovadas

Partido dos Trabalhadores foi autor de petição, e é seguido por outras 18 legendas

Do Jornal do Brasil

O pedido encaminhado pelo Partido dos Trabalhadores ao Tribunal Superior Eleitoral sugerindo que o órgão colegiado revogue a decisão de não conceder registro eleitoral para os políticos que tiveram contas eleitorais rejeitadas em pleitos de anos anteriores chegou ao Tribunal nesta quinta-feira (15). O documento foi encaminhado para o ministro Arnaldo Versiani, relator da resolução 23.376, que fixa normas para as eleições municipais de outubro. O ministro deve submeter ao plenário a petição recebida nos próximos dias.

Na última quarta-feira (14), partidos governistas, de oposição, além de representantes de 18 legendas se uniram e decidiram seguir o caminho do PT – pedindo que o TSE libere os políticos que tiveram contabilidade reprovada nas eleições de 2010 para concorrer livremente no pleito deste ano. Entre as siglas que tentam se esquivar da nova regra estão PMDB, DEM, PSDB, PPS e PP. Para os partidos, pedir a revisão do TSE no caso não vai prejudicar a Lei da Ficha Limpa. A petição encaminhada pelas demais legendas ao TSE não chegou ao órgão até as 18h30 desta quinta-feira. As informações são da assessoria de imprensa do Tribunal.

De acordo com o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), a decisão do TSE impede 28 mil pessoas de serem candidatas e pegou os partidos de surpresa. “Até então, a lei dizia que a não aprovação das contas não era motivo de inelegibilidade. Os candidatos poderiam obter a quitação eleitoral mesmo com as contas reprovadas em primeira instância, em segunda, nas comarcas ou no TSE”, disse o presidente do PMDB.

Ainda segundo Raupp, o posicionamento dos partidos políticos não tem a ver com a Lei da Ficha Limpa e suas regras de inelegibilidade. Para ele, o problema foi a falta de aviso prévio aos partidos para que eles pudessem se preparar para a nova regra.

Na mesma linha, o presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), também alegou que todos os partidos foram prejudicados pela resolução do TSE. Segundo Maia, o tribunal deveria ter respeitado o prazo mínimo de um ano para mudar as regras eleitorais.

“Trata-se de uma iniciativa aprovada por 4 votos a 3, ou seja, uma diferença muito baixa. É uma iniciativa que não respeitou a anterioridade de um ano, não deu tempo de os partidos se prepararem”, declarou o presidente do DEM.

Com Agência Brasil

Camisa Nike Corinthians II 160x600

Sobre mrwash

Veja também

Peruíbe: Oliveira mostra toda sua força e elege dois assessores

Da Redação Não seria exagero pensar que os 941 votos que o vereador José Pedro …

“A eleição terminou; minha coragem não”, diz Onira em nota de agradecimento

Da Redação Ao agradecer os mais de 10 mil votos que obteve nas urnas neste …

Wanderlei de Paula agradece os votos e deixa política “para os profissionais”

Da Redação Enojado. Esta é a expressão que resume o sentimento que Wanderlei de Paula …

%d blogueiros gostam disto: